Povoado Neolitico da Ponta da Passadeira

Há cerca de 5 mil anos a Ponta da Passadeira apresentava condições climáticas e geomorfológicas distintas das actuais. Toda a zona estaria sob um coberto vegetal onde dominava o Pinus e o rio Tejo corria encaixado mais a Norte. Estes factores, entre outros, originaram a criação de condições favoráveis à implantação de uma população cuja economia apresentava uma feição de carácter agromarítimo.

Estes homens e mulheres, nossos antepassados longínquos do Neolítico Final/Calcolítico, desenvolveram uma importante especialização funcional no domínio da olaria. Os vestígios destas actividades foram identificados em 1995, numa intervenção arqueológica de emergência, conduzida cientificamente pelo Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal e com a participação da Câmara Municipal do Barreiro.

Em campanhas arqueológicas que decorreram sucessivamente até 1999, foram registados o vários fornos de cozer cerâmica e respectivas entulheiras, pedaços informes de argila das coberturas e grandes quantidades de fragmentos de cerâmica que atestam a existência de um importante centro de produção oleira.

A actividade oleira terá beneficiado da existência de “barreiro” a montante, com boas argilas cujos afloramentos ainda hoje são possíveis de detectar localmente.

Os recipientes produzidos são maioritariamente não decorados, sendo as formas mais comuns aquelas que derivam da esfera.

Coloca-se aqui a hipótese de que a existência deste recurso natural, conhecido pelo homem há milhares de anos, constitua, porque não, uma das primeiras pistas para o topónimo do actual concelho do Barreiro?

Para além dos fornos, foram encontrados outros elementos da cultura material desta população, designadamente testemunhos ligados à prática da agricultura, como mós manuais, vários instrumentos de corte em sílex, machados, enxós, entre outros.

A escavação de uma estrutura de rejeição de restos de cozinha, revelou que a caça, a pesca e a recolecção de marisco, complementavam a dieta alimentar do grupo.

Foram também descobertos inúmeros artefactos que podem ser associados a práticas de carácter mágico-religioso. Tratam-se de objectos em cerâmica – corniformes – portadores de alguma carga simbólica.

«O corniforrne em si mesmo poderia estar relacionado com um provável culto do touro cuja difusão, durante o Neolítico final e o Calcolítico inicial, teriam abrangido o Sul e o Centro do actual território português.» Joaquina Soares, 1996.

Uma resposta a Povoado Neolitico da Ponta da Passadeira

  1. Fernando Coimbra diz:

    Seria interessante apresentar estes corniformes no congresso – O cavalo e o touro na Pré-História e na História, a realizar entre 15 e 19 de Maio de 2013. Brevemente seguirá informação detalhada. Contacto: Fernando Coimbra coimbra.rockart@yahoo.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s