Real Fabrica de Espelhos e Vidros Cristalinos de Coina

No inicio da história do vidro em Portugal

Entre 1983 e 1990 realizaram-se em Coina várias campanhas arqueológicas, dirigidas cientificamente por Jorge Custódio e apoiadas técnica e financeiramente pela Associação Portuguesa de Arqueologia e pela Câmara Municipal do Barreiro, que permitiram identificar a real manufactura joanina de vidros, cuja laboração se situa entre 1719 e 1749.

A importância histórica e arqueológica do achado levou a Câmara a solicitar a sua classificação como Imóvel de Interesse Público ao Instituto Português do Património Arqueológico, facto que ocorreu em 31 de Dezembro de 1997.

A Real Fábrica de Vidros de Coina, fundada por iniciativa régia, ficou sob a égide da Fazenda Real até 1731. A partir desta data até ao seu encerramento em 1747, passou por várias administrações da qual se destaca a do irlandês John Beare, por ter sido no seu tempo que a manufactura foi encerrada em Coina e deslocada para a Marinha Grande, dando origem à tradição vidreira pela qual ficou conhecida esta localidade – Capital do Vidro.

As razões do encerramento prenderam-se com questões ligadas a um dos combustíveis que alimentava os fornos do vidro – a madeira- abundante em toda a Margem Sul e utilizada nas “indústrias” da região, desde o abastecimento a Lisboa, à construção naval, aos fornos do biscoito de Vale de Zebro, aos inúmeros fornos de cal de toda a região, que por si só eram grandes depredadores dos recursos naturais. De salientar que em Coina também se utilizou pela primeira vez, como combustível, a hulha, importada de Inglaterra.

Contra os fornos do vidro se levantaram o Senado de Lisboa e certamente os interesses locais, pressionando o Monarca para o desfecho que se veio a verificar.

A criação da manufactura vidreira de Coina representava uma tentativa de inovação no contexto da economia do reino, pois trouxe para Portugal mão de obra e técnicos estrangeiros especializados na produção do vidro, recursos que o país não possuía. Estes técnicos formaram uma importante colónia na freguesia e antigo Concelho de Coina.

Portugal vivia então uma época sumptuária, a sociedade sustentava-se dos rendimentos do ouro do Brasil, tinha exigências muito mais sofisticadas. A Real Fábrica de Vidros constituía também, uma resposta a essa necessidade de produtos de luxo, como os espelhos e cristais, e vidreira comum – as vidraças para as janelas e em especial um fabrico de embalagem de garrafaria destinado à exportação, quer para os vinhos franceses, com destaque para o champanhe, quer para a Inglaterra ao abrigo do Tratado de Methuen.

«Julgo poder afirmar com alguma certeza que o fabrico em Coina de garrafas para o vinho do Porto altera a cronologia geralmente aceite para o início deste modelo de embalagem, aspecto relevante que, por si, posiciona esta estação arqueológica, num lugar central das tecnologias vidreiras contemporâneas» Jorge Custódio, 2000.

Por outro lado, a real manufactura constituiu um exemplo de exaltação e poder absoluto do monarca, expresso através das peças fabricadas em seu louvor ou através de poemas de escritores contemporâneos, o que se enquadra perfeitamente no espírito barroco da época joanina.

Depois do encerramento da Real Fábrica de Espelhos e Vidros Cristalinos de Coina e do seu completo desmantelamento, foi instalado no edifício uma pequena indústria de estamparia no último quartel do século XVIII.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s